FRETE GRÁTIS PARA TODO BRASIL

Blog

Tecidos: fibras artificiais, naturais ou sintéticas

Tecidos: fibras artificiais, naturais ou sintéticas

Conhecer as principais características dos tecidos vai te auxiliar a fazer a escolha certa pra você na hora da compra, especialmente se estiver comprando online.

As fibras que formam os tecidos podem ser artificiais, naturais ou sintéticas.

FIBRAS NATURAIS

Os tecidos naturais, considerados básicos e clássicos, são produzidos a partir de fibras naturais podendo ter a sua origem classificada em vegetal, como o linho e o algodão; animal como a lã e a seda; e mineral como o amianto. Essas fibras são bem confortáveis e flexíveis, possuem um toque agradável, não absorvem o calor e deixam a pele respirar.

Estes tecidos possuem um valor agregado superior aos sintéticos, mas demandam muito mais cuidado. Um tecido natural amassa com facilidade e pode perder a cor com o tempo. Geralmente a lavagem precisa ser à seco, ou a mão, em água fria e não pode ser colocado pra secar na máquina.

 

FIBRAS ARTIFICIAIS

As fibras artificiais são produzidas quimicamente, só que tendo como matéria-prima, polímeros naturais – especialmente a celulose. As mais conhecidas são a viscose, modal, lyocel e acetato.

Elas são resistentes, não desbotam, tem um toque sedoso, além de secarem rápido e quase não amassarem. Por serem artificiais, não absorvem a transpiração e retém odores. Devem ser passadas a baixas temperaturas e sem vapor.

 

FIBRAS SINTÉTICAS

As fibras sintéticas são produzidas pelo homem com matérias-primas não-naturais – químicos da indústria petroquímica. As mais conhecidas são o acrílico, o poliéster, a poliamida, o polipropileno, aramidas, nylon e Elastano.

As fibras sintéticas são aquelas que secam rápido e quase não amassam. São mais duráveis e fáceis de cuidar, podendo ser lavados sem problemas, porém são menos sofisticados do que as fibras naturais.* *

 

TECIDOS MISTOS

Os tecidos mistos são o resultado da mistura de fibras naturais e fibras sintéticas. A partir dessa mistura é possível variar a quantidade de cada fibra em sua composição e adquirir produtos para finalidades diferentes.

A mistura mais conhecida é entre o ALGODÃO e o POLIÉSTER.

O poliéster é feito de carvão, ar, água e derivados de petróleo. É uma fibra forte, com uma boa durabilidade e adaptação ao corpo, não amassa fácil, não encolhe, aceita o tingimento dos mais variados pigmentos, mas não suporta bem altas temperaturas, portanto, não deve ser passada com ferro quente. Já o algodão é uma fibra leve, fresca, confortável e absorvente. Apesar de ser fácil de tingir, as cores não se prendem tão bem levando-o a desbotar ao longo do tempo. Ele aguenta altas temperaturas mas pode encolher quando lavado e amassa com facilidade.

A junção dos dois resulta em um tecido versátil que tem o melhor de cada um. O tecido é fresco e leve como o algodão, porém mais forte, durável e mais difícil de amassar. Alguns tecidos mistos conhecidos são o tricoline, malha e Piquet.

 

PRINCIPAIS TECIDOS

ALGODÃO 

POLIÉSTER

Nome derivado do PET – politereftalato de etileno, o poliéster é um polímero produzido de forma sintética a partir do carvão, da água e derivados do petróleo. Com uma categoria de polímeros que contém um grupo funcional éster na cadeia principal, sendo a maioria termoplásticos, ou seja, quando submetidas a altas temperaturas, sua respectiva forma pode ser convertida para qualquer que seja a finalidade.

Caracteriza-se por ser uma fibra forte que mantém sua forma e não amassa com facilidade. Com uma boa durabilidade e adaptação ao corpo, não encolhe e aceita o tingimento dos mais variados pigmentos.

Entre os pontos fracos, é possível destacar a baixa resistência às altas temperaturas. Por isso, as peças produzidas apenas com essa fibra devem ser passadas a ferro frio. 

O tecido misto que junta o algodão com o poliéster ganha espaço na confecção de roupas por unir os diferentes aspectos de ambas as fibras resultando em um tecido leve, fresco, forte, durável e difícil de amassar.

Hoje, com o avanço da tecnologia, a descoberta das microfibras (que possibilitam que o poliéster tenha um toque mais suave, quase como um tecido de seda) e as diversas aplicações possíveis para esse material, o poliéster está muito bem consolidado no mercado.

 

CHIFFON

Conhecido pela versatilidade o chiffon é um tecido que se destaca no mundo da moda há algum tempo.

Trata-se de tecido muito fino que tem como características a transparência, o movimento, a superfície irregular e o toque levemente áspero, causado pela texturização dos fios. Isso dá um aspecto único e elegante às peças criadas com esse material.

Pouco se sabe sobre a origem do chiffon, mas há registros de que desde 1700 ele era utilizado na Europa como sinônimo de status, riqueza e poder.

Composição: existe o chiffon sintético (100% poliéster) e o chiffon toque de seda. Ambos são levemente transparentes, mas o sintético é um pouco mais seco.

Caimento: é um tecido leve, fino, mas que tem um certo peso. Não chega a dar volume para as peças, mas proporciona um bom caimento.

 

A lã é uma fibra natural derivada da pelagem da ovelha, do carneiro da vicunha, da alpaca, da alpama ou da lhama. A é a mais antiga fibra natural animal usada pelo homem para se proteger de temperaturas baixas. Já era utilizada na Idade Antiga pelos povos nômades como agasalho, mas a Mesopotâmia (atual Iraque) foi a pioneira na domesticação destes animais e, por isso, suas lãs se tornaram famosas.

A espessura dos tecidos de lã podem variar, o que torna o uso mais versátil: tanto no verão, quanto no inverno.

É um tecido com bom isolamento térmico: As fibras absorvem a umidade do ar, liberando o vapor, sendo respirável e multi-climático, ou seja mantém o conforto térmico tanto no frio quanto em ambientes um pouco mais quentes, não aquecendo muito sob o sol, mantendo a temperatura corporal mais baixa em comparação com tecidos sintéticos. Também não amassa e é bastante confortável.

Outras características interessantes da lã são a resistência a odores e à absorção de poeira.

Composição: temos as lãs puras (naturais) e as lãs mistas, também chamadas de acrílicas. As mistas podem combinar poliéster com elastano, poliéster com lã pura e podem ser 100% poliéster.

Caimento: a lã pura é mais pesada, já a lã mista costuma ser mais leve e versátil.

 

LUREX 

lurex é um tecido muito brilhoso e com bastante textura que ganhou destaque nos anos 80, época em que o brilho estava em alta.  

  • Acabamento sofisticado em fios metálicos. 
  • Malhas são bem maleáveis, com boa elasticidade.

Composição: é um tecido com fio metalizado ou com uma aplicação de glitter no estilo dourado, ouro ou bronze. Quando o brilho é aplicado, a base geralmente é malha. O fio de lurex não oxida, não perde o brilho e nem a cor, mesmo sob a ação da umidade do ar e do calor do corpo.

Caimento: possui um bom caimento, semelhante às malharias. É confortável e versátil e pode ser mais leve ou mais pesado, dependendo do fio utilizado.

PAETÊS

O paetê, nada mais é, do que o tecido coberto com lantejoulas. E essa é exatamente a tradução do termo francês pailleté que originou o nome. Há registros de que a lantejoula já era utilizada no ano 2.000 a.C. e, naquela época, adornava as roupas de reis e rainhas para demonstrar poder e riqueza. Nos anos 1900, Algy Lieberman começou a produzir as lantejoulas de plástico nos Estados Unidos, e a partir daí elas se popularizaram. Na moda, a primeira aparição do paetê aconteceu em 1940 nas peças de Coco Chanel e Paul Poiret.

Composição: as lantejoulas que compõem o paetê são feitas de vinil, mas a base onde elas são aplicadas pode variar bastante, mas normalmente é tule ou malha.

Caimento: as peças com lantejoulas aplicadas de maneira mais espaçada costumam ser mais leves. Já aquelas com paetês cobrindo toda a base do tecido tendem a ficar um pouco mais pesadas.

RENDAS 

Conhecidas por serem clássicas e atemporais, renda é o tecido que forma um desenho com entrelaçamento de fios geralmente de aspecto transparente ou vazado. Curingas do guarda-roupa feminino ela pode ser feita à máquina ou à mão.

Existem dois principais tipos de rendas: a de agulha, que é confeccionada dando-se laçadas com o fio, em pontos simples ou complexos, o que resulta em desenhos mais padronizados; e a de Bilros, que é formada pelo cruzamento sucessivo ou entremeado dos fios, feito sobre o pique - um cartão onde está o decalque do desenhos – com a ajuda dos bilros, um artefato de madeira onde são enrolados os fios.

Composição: não importa o tipo de tecido. Se existe um fio bordando este tecido, ele é uma renda. As mais comuns são as rendas de algodão e poliéster que são bordadas sobre tules e telas e ainda podem ser rebordadas com pedrarias.

 

SEDA 

  É a fibra natural obtida a partir do o casulo  do bicho-da-seda. Este inseto produz um filamento contínuo de proteína que dá origem a um tecido resiste e muito macio. É uma das matérias-primas mais caras do mundo.

Acredita-se que tenha sido descoberta por uma imperatriz chinesa por volta do ano 2.700 a.C. era considerada a mais valiosa mercadoria da China e gerou a famosa rota da Seda, a mais importante rota comercial da época. A manufatura da seda era um segredo de estado, muito bem guardado até o ano 300, quando se tornou conhecida na Índia. Ou seja: 3.000 anos após sua descoberta pelos chineses.

Composição: é a fibra natural usada na composição de diversos tecidos como musseline e gazar.

Caimento: possui um excelente caimento e costuma ser utilizado em peças mais soltinhas e que não ficam muito justas ao corpo.

 

TULES 

O tule surgiu por volta dos anos 1700 em uma cidade francesa chamada Tulle. Anos mais tarde se tornou conhecido por ser incorporado nos figurinos de ballet.

Composição: Tule é uma rede leve, muito fina e rígida. Pode ser feito de várias fibras, incluindo seda, nylon, poliéster e rayon. É um tecido construído com fios entrelaçados que criam uma rede transparente, mas bastante firme e estável. 

Caimento: o tule de malha acaba sendo mais flexível e molinho do que os demais, e o de armação confere bastante volume às peças.

 

VELUDO 

origem do nome vem do latim “vellus”, que significa “pelo” ou “pelo em tufos”.

É um tecido bastante antigo. Sua origem remonta aos séculos X e XV e há registros de que tenha sido criado na Índia, feito em teares manuais a partir da fibra da seda. Depois, passou também a ser produzido na Itália, onde as fábricas de Veneza, Florença, Gênova e Milão ganharam fama mundial.   

Artigo de luxo, o veludo serviu inicialmente como uso apenas para as Famílias Reais – histórias contam que pessoas “não nobres” eram proibidas de usar.

No século 20 começou a ser unido ao acetato, algodão e rayon, barateando seu custo e facilitando a produção. Assim, ficou um pouco mais comum, entrou em desfiles de moda.

Composição: O veludo é um tipo de tecido macio e de pelos curtos, pode ser de seda, acetato, rayon, náilon, algodão, ou uma mistura de dois ou mais desses fios. Normalmente, esse veludo é aplicado sobre uma trama de algodão. Existem vários tipos de veludos: liso, cotelê, alemão.

Caimento: é um tecido quentinho e um pouco mais pesado, mas com ótimo caimento para diversas peças.

Veludo é  um tecido com elegância e características que remetem a riqueza e abundância.

 

VISCOSE 

 É a primeira fibra têxtil artificial. Fabricada a partir dos restos de madeira de árvores pouco resinosas ou do línter da semente do algodão e teve sua produção iniciada em 1905. É formada uma pasta celulósica que por extrusão em fieiras e com o contato de outras soluções é feita a fibra.

Composição: é fibra artificial e costuma dar origem à tecidos lisos e estampados.

Caimento: é um tecido leve e fresco, que apresenta bastante caimento.

este é um tecido mais usado para a confecção daquelas roupas do dia a dia. É altamente indicado para o verão e para roupas esportivas, mas também aparece sempre em saias longas, vestidos, blusinhas, regatas e camisetes.

Rayon x Viscose

 Ambos rayon e viscose são fabricados no mesmo processo, mas diferem nos materiais utilizados. Embora o rayon possa ser fabricado com celulose de várias plantas, a viscose é fabricada com polpa de madeira ou algodão.

 Raiom ou rayon é um tecido de fibra celulósica, um dos primeiros tecidos artificiais, surgiu em 1885 quando ainda chamado de "seda artificial", o nome "raiom" só se estabeleceu em 1924. É um material bastante resistentes, modela-se facilmente e é macio; a fibra de raiom tem boa absorção, é confortável e é tingida com facilidade.

 CETIM

O Cetim é um tecido de aspecto brilhoso e elegante,  tem textura suave e amanteigada, por isso muito usado para confeccionar vestidos de festa. Seu toque agradável combinado com seu caimento mais fluído oferece conforto para quem veste.

 

MALHAS  

As malharias estão entre os tecidos mais antigos do mundo. É difícil definir com precisão quando elas surgiram, mas sabe-se que em 1.000 a.C. já existiam calções de malha  em escavações no Egito. Até o século XVI, toda a produção de tecidos de malha era manual, e isso só mudou com a invenção de uma máquina de tricotar idealizada por Willian Lee, um pastor que queria auxiliar sua esposa na produção dos tecidos.

Suas propriedades são distintas das do tecido, pois é mais flexível e pode ser mais facilmente construído em peças menores, 

malha é constituída por fios têxteis, que são tramados sempre na horizontal, na mesma direção, o entrelaçamento de fios faz com que ela seja naturalmente mais maleável, e seu uso se concentra mais em peças confortáveis e despojadas.

Caimento: é um tecido bem maleável, que estica bastante e não amassa.

Utilização: por ser bem versátil, é um tecido que permite dezenas de utilizações, especialmente na moda casual. O vestuário esportivo e a moda praia são dois dos segmentos que mais a utilizam por conta do conforto e flexibilidade, também é muito utilizada em peças do streetwear, como moletons e calças jogger. Além da clássica camiseta, e da camisa gola pólo.

 existem diferentes tipos de malha: 

Malha de algodão

Malha dry fit dry fit é uma tecnologia aplicada em diferentes fibras, como o poliéster e a poliamida, resultando em uma peça de alta absorção e secagem rápida.

Malha PV também chamada de malha fria - contém viscose e poliéster em sua composição. 

Malha piquet - muito usada na produção de camisas polo, podendo apresentar duas composições diferentes, como  50% algodão e 50% poliéster, o que aumenta a durabilidade da peça e  garante o conforto. outra opção é composição 100% de algodão, sendo muito mais fresca que a primeira mas também tem custo maior e requer mais cuidados.

Malha helanca -  é composta por 100% de poliéster. Ela pode ser facilmente estampada (sublimação), por isso, é a malha mais usada na fabricação de abadás e camisetas de eventos.

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Comment are moderated